Como será a recuperação das empresas com a retomada da economia

O contador e consultor Fabio Barretta comenta o cenário no Brasil após a crise causada pelo coronavírus

A retomada dos negócios é realmente algo muito bom para a economia, mas é fundamental ficar atento às finanças e como será a reação nesse novo estágio, já que ainda existe um certo medo e receio por parte dos consumidores de voltar às ruas e ao comércio. Com isso, é possível que haja consequências desagradáveis, como ter custos mais altos com a manutenção de um espaço físico e até mesmo a demissão de funcionários.

Com experiência no assunto, o consultor Fabio Barretta conta como lidar com esse novo momento econômico no Brasil. “O primeiro passo é refinar os processos operacionais e de atendimento, se adequando aos protocolos sanitários para que sua operação volte de acordo com o ambiente criado pela Covid-19 no país. Após esse alinhamento, é necessário reduzir custos fixos, renegociar seus débitos com terceiros e com o governo e então buscar capital de giro mais barato, como as linhas créditos do governo e outros bancos que estão reduzindo as taxas de juros”, explica.

Durante esse período, repentino para todos, o governo tomou uma série de medidas para amenizar os efeitos. No entanto, os governos estaduais ainda estão trabalhando para encontrar um caminho menos tortuoso, já que muitos Estados estão falidos, o que certamente está agravando a crise.

Ainda assim, não existe fórmula ou mágica para que os negócios voltem com a mesma potência do início do ano. Atualmente os consumidores se voltam para outros canais de compra, um movimento natural para o cenário atual. “O governo concedeu 3 meses de suspensão dos contratos para as empresas passarem pela quarentena, mas o empresário que não pensou em novas alternativas, como levar o atendimento para a internet, ficará com funcionários ociosos e baixo faturamento”, relata o contador.

Também por conta da ociosidade, o desligamento de funcionários passa a ser uma realidade cada vez mais frequente. Para Fabio, uma maneira de viabilizar esses dilemas é realizando acordos com os colaboradores que terão os contratos rescindidos, seja em junta de conciliação ou mesmo com a ajuda dos sindicatos responsáveis.

Contar com a ajuda de profissionais experientes também pode ser de grande ajuda. O contador pode ser o salvador das finanças nesse período, sugerindo e promovendo soluções, como a Coan Contábil vem fazendo desde o início da pandemia.

Sobre Fábio Barretta

É CEO desde 2018 da Coan Contabilidade e Consultoria, bacharel em ciências contábeis desde 2005 pela PUC/SP e com especialização em planejamento tributário pela FECAP/SP em 2010. Atua no mercado contábil desde 1997, onde ingressou na COAN CONTABIL passando pelas áreas contábil, fiscal e legal, acumulando vasta experiência em assessoria contábil, ingressou como sócio diretor desde 2010, período em que ingressou a COAN CONTABIL nos programas de Qualidade e Certificação  da ISO9001 e PQEC.

Para saber mais, visite o site www.coancontabil.com.br, envie seu e-mail para fabio@coancontabil.com.br.

Acompanhe a empresa nas mídias sociais:

Instagram: @coan_contabil
Facebook: CoanContabilidade

Leave A Comment