Desde 1981 contribuindo para o sucesso da sua empresa.

PABX: 11 3855-3439 / 11 9 8251-5110

Inglês Italiano Português

Ônus do IRRF assumido pela fonte pagadora

Por: Coan Contabil em quinta-feira, 10 de novembro de 2016 às 11:08

Ônus do IRRF assumido pela fonte pagadora – Contabilização – Roteiro de Procedimentos

 Introdução

 

Visando combater a inadimplência e a sonegação, diversas leis tributárias obrigam terceira pessoa a efetuar a retenção de determinados tributos sobre os rendimentos pagos, dever este conhecido como “retenção na fonte”.

 

Em decorrência dessa obrigatoriedade, a fonte pagadora dos rendimentos fica obrigada a descontar, nos pagamentos ou créditos, conforme o caso, o valor do imposto de renda que será deduzido pelo beneficiário no imposto de renda apurado.

 

Com a retenção na fonte, o contribuinte tem o tributo retido e, posteriormente, recolhido pela fonte pagadora, impossibilitando assim o seu não pagamento.

 

No entanto, em alguns casos, em decorrência, por exemplo, de um acordo comercial, a pessoa jurídica assume o ônus do imposto e não desconta o valor do beneficiário.

 

Nota:

 

No caso de prêmios em bens compete à pessoa jurídica que proceder à distribuição de prêmios, efetuar o pagamento do imposto correspondente, não se aplicando o reajustamento da base de cálculo ( art. 677, §2º do Decreto nº 3.000/99).

 

Outra hipótese de reajustamento da base de cálculo ocorre quando a fonte pagadora não efetua a retenção e a fiscalização apura a infração antes de o contribuinte oferecer à tributação o rendimento, o imposto devido será apurado com o reajustamento da base de cálculo. Neste caso também será devido os juros moratórios e a multa de ofício.

 

Nota:

 

A pessoa física oferece à tributação os rendimentos recebidos de pessoa jurídica na Declaração de Ajuste Anual e a pessoa jurídica de acordo com seu regime de apuração (trimestral ou anual, com recolhimentos mensais).

 

Nesse Roteiro, trataremos sobre a contabilização do IRRF quando a fonte pagadora assume o ônus do imposto.

 

Fundamentação: art. 9º da Lei nº 10.426/2002; art. 725 do Decreto nº 3.000/99.

I Reajustamento da base de cálculo

 

Quando a fonte pagadora assumir o ônus do imposto devido pelo beneficiário, a importância paga é considerada líquida, cabendo o reajustamento do respectivo rendimento bruto, sobre o qual recai o imposto.

 

Para reajustamento da base de cálculo aplica-se a seguinte fórmula:

RR = (RP – D) / [1 – (T / 100)]

 

Sendo:

RR, o rendimento reajustado;

RP, o rendimento pago, correspondente à base de cálculo antes do reajustamento;

D, a dedução da classe de rendimentos a que pertence o RP;

T, a alíquota da classe de rendimentos a que pertence o RP.

 

Nota:

 

  1. Na aplicação da fórmula, se o rendimento reajustado obtido pertencer à classe de renda seguinte à do rendimento pago, o cálculo deverá ser refeito, utilizando-se a dedução e a alíquota da classe a que pertencer o rendimento reajustado apurado.

 

  1. Caso a alíquota aplicável for fixa, o valor da dedução é zero e T é a própria alíquota.

 

  1. Não se aplica o reajustamento da base de cálculo: a) aos prêmios distribuídos sob a forma de bens e serviços, por meio de concursos e sorteios de qualquer espécie; b) ao valor dos juros remetidos para o exterior, devidos em razão da compra de bens a prazo, ainda quando o beneficiário dos rendimentos for o próprio vendedor.

 

Exemplo:

 

A empresa “A” contrata um autônomo para prestar serviços de pintura, tendo sido pactuado a remuneração líquida de R$ 2.700,00. O cálculo do IRRF deverá ser realizado da seguinte forma.

 

Rendimento Pago (RP): R$ 2.700,00.

 

Parcela a deduzir (PD) correspondente a faixa de 15% da tabela progressiva aplicável a para o ano-calendário de 2014, e nos meses de janeiro a março de 2015:de 2011: R$ 335,03.

 

Tabela progressiva mensal:

 

  1. a) A partir do mês de abril do ano-calendário de 2015:
Base de Cálculo (R$)

 

Alíquota (%)

 

Parcela a Deduzir do IR (R$)

 

Até 1.903,98

 

 

 

De 1.903,99 até 2.826,65

 

7,5

 

142,80

 

De 2.826,66 até 3.751,05

 

15

 

354,80

 

De 3.751,06 até 4.664,68

 

22,5

 

636,13

 

Acima de 4.664,68

 

27,5

 

869,36

 

 

  1. b) Ano-calendário de 2014, e nos meses de janeiro a março de 2015:
Base de Cálculo (R$)

 

Alíquota (%)

 

Parcela a Deduzir do IR (R$)

 

Até 1.787,77

 

 

 

De 1.787,78 até 2.679,29

 

7,5

 

134,08

 

De 2.679,30 até 3.572,43

 

15

 

335,03

 

De 3.572,44 até 4.463,81

 

22,5

 

602,96

 

Acima de 4.463,81

 

27,5

 

826,15

 

 

Nota:

 

Para as tabelas progressivas mensais referentes aos demais anos-calendário vide – Tabelas Progressivas Mensais IR a partir de 1996 (MIX\2011\100).

 

RR = {(RP – D) / [1 – (T / 100)]}

 

RR = {(2.700,00- 335,03) / [1 -0,15]

 

RR = 2.364,97/ 0,85

 

RR = 2.782,31

 

Considerando o reajustamento da base de cálculo, o montante a ser recolhido será:

 

2.782,31 x 15% = (imposto devido)

 

R$ 417,34 (imposto devido) – R$ 335,03 (parcela a deduzir do imposto) = 82,31

 

Prova do cálculo:

 

Rendimento Reajustado: R$ 2.782,31

 

Imposto de renda retido na fonte: R$ 82,31

 

Valor líquido a pagar ao prestador de serviço: R$ 2.782,31 – R$ 82,31 = R$ 2.700,00

 

Fundamentação: art. 1º da Lei nº 11.482/2007, alterada pela Lei nº 13.149/2015 (LGL\2015\5546); art. 725 do Decreto nº 3.000/1999 (RIR/1999); art. 20 da Instrução Normativa SRF 15/2001.

II Lançamento contábil

 

Utilizando o mesmo exemplo numérico do tópico I (DOC 2011\313) teremos o seguinte lançamento contábil, na pessoa jurídica responsável pela retenção na fonte:

 

 

 

 

 

 

D

 

Despesa operacional (Conta de Resultado)

 

2.782,31

 

C

 

IRRF a recolher (Passivo Circulante)

 

82,31

 

C

 

Caixa/Banco (Ativo Circulante)

 

2.700,00

 

 

No pagamento do IRRF:

 

 

 

 

 

 

D

 

IRRF a recolher (Passivo Circulante)

 

82,31

 

C

 

Caixa/Banco (Ativo Circulante)

 

82,31

 

 

Nota:

 

  1. O Parecer Normativo CST nº 2/1980 (LGL 1980\174) determina que integra o montante do custo ou despesa, e como tal é dedutível, o imposto de renda devido na fonte quando a pessoa jurídica assuma o ônus do imposto e o rendimento pago ou creditado a terceiro seja dedutível como custo ou despesa.

 

  1. O informe de rendimentos a ser disponibilizado ao beneficiário deverá considerar o valor do rendimento reajustado e, o beneficiário deverá considerar como renda/receita o valor reajustado, podendo deduzir o valor do imposto na sua apuração.

Ver mais sobre: Sem categoria

1
Deixe um comentário

avatar
1 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
1 Comment authors
David Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
David
Visitante
David

Bom dia!
E quanto à retenção do INSS sobre o valor a ser pago pelo serviço prestado?
Ele também deve ser deduzido do RR para encontrar a base de cálculo do IRRF.
E também tem uma tabela própria para cálculo do INSS a reter.
Nesse caso, como seria a fórmula para cálculo para definir o RR?
Atenciosamente,

Consultas / Certidões / Utilitários

Links de utilidades econômicas e financeiras com informações importantes do âmbito empresarial

1
Olá! Precisa de ajuda? Mande sua mensagem agora mesmo!
Powered by